segunda-feira, 31 de maio de 2010

Insensível sensibilidade?

Insensível sensibilidade?
Às vezes, pessoas pensam que eu sou insensível. Mas é totalmente o inverso, sou sensível ao ponto de confiar tanto na Vida, que consigo eliminar de grande parte do meu ser o medo, a dúvida e os sofrimentos banais. Realmente, muitas vezes você vai me ver sorrindo após perdas, desentendimentos e tropeções da vida. Mas sabe o que é? A partir do momento que comecei a confiar na Vida, ter certeza de que tudo de bom é meu, ela foi me afastando do que era ruim e só trazendo boas pessoas, experiências e bens. Eu criei uma confiança tão forte de que nada é em vão e de que meus passos sempre vão me levar ao destino que eu criar que eu crio apenas o bem. Para que eu vou me preocupar com aparentes tristezas se amanhã elas passarão? Não é melhor ficar bem agora e quando tudo se resolver, ficar melhor ainda?
Ok, não é que eu não chore às vezes, esperneie e sinta como se tudo tivesse dando errado, às vezes sinto isso sim. Mas eu deixo a emoção vir e ir embora, como a nuvem e o vento, se eu sentir uma vontade imensa de chorar, eu choro... choro... choro até passar, mas SEMPRE com a certeza de que a Vida está me dando aquilo com algum propósito e adivinhem só? Não demora muito e eu entendo o quanto àquela mesma situação que me fez chorar, me trouxe uma libertação ou algo bom.
Como já dizia o querido Sócrates de Dan Millman... Desilusão é para ser comemorada, se desprender de uma ilusão é o melhor presente que alguém pode lhe dar, só se é feliz na realidade!
Então, obrigada Vida por todas as vezes que chorei para perceber. E obrigada Vida por eu ter aprendido que sorrindo também posso perceber.
Carolina Flores.

Um comentário:

Arquivo do blog